segunda-feira, 27 de junho de 2011

O CORAÇÃO DE DOM PEDRO

Um homem detestável, mas um líder obstinado. É assim que vejo Dom Pedro I, o imperador de dois mundos. Após a leitura do livro 1822, do escritor Laurentino Gomes, essas idéias vieram com mais força em minha cabeça. Devemos a quem a criação de nosso país? A um grito ampliado por um status heróico que jamais aconteceu ou a simples circunstância da época que, inspirada em ideais iluministas, pedia liberdade as nações no mundo? Não sei exatamente, mas vou me firmar ao sentimento patriótico.

Dom Pedro foi muitas coisas:
1) Mulherengo insaciável que não via limites a fidelidade. Especula-se que pode ter dado vida a 120 filhos bastardos.

2) Um imperador liberal em termos de direitos civis, mas autoritário em termos de discussões políticas. Era implacável contra a oposição da época, perseguindo-a, constrangendo-a e, se necessário fosse, impondo a força do exército nacional de modo a "moldar" idéias. Apesar disso, deu vazão a uma constituição liberalista que foi a mais duradoura da história do Brasil, tendo o mesmo sido feito, posteriormente, em Portugal.

3) Um herói de dois mundos. Nove anos após o grito do Ipiranga o imperador ainda se envolveria em mais uma grande batalha: seus ideais monárquicos constitucionais entrariam em conflito contra seu irmão absolutista, Dom Miguel, em Portugal. A batalha foi vencida tendo tomado como símbolo da resistência a cidade do Porto. Lá, como último desejo do imperador, reside conservado seu coração, como uma simbologia. Seu corpo, todavia, está sepultado em um monumento a beira do riacho Ipiranga, após o translado continental em 1972.

Para quem se interessar, o coração do imperador é avaliado a cada dez anos para a análise do estado de conservação. Na última, uma equipe portuguesa captou algumas imagens do principal órgão de um homem que resistiu a tirania e deu a um povo combalido... esperança!

Obs: o vídeo não é forte, mas não recomendo que quem tiver estômago fraco o assista. É apenas um coração, porém descolorido pela ação do tempo. Façam jus ao bom senso na hora da decisão!



Um comentário:

Anônimo disse...

Dom Pedro I..."GRANDE CARA". Quando criança, de uma ótima índole, vivia brincando com seu irmão mais novo, Dom Miguel e com as crianças escravas também.Grande homem,sem preconceitos,conversava com qualquer um que chegasse perto dele,de igual para igual.Gostava muito de exercícios físicos ,pois era vaidoso e gostava também de animais ,não só de tê-los como também de cuidar deles pessoalmente,como os cavalos.Em relação a seus filhos,os legítimos e também os bastardos,ele não só queria que eles convivessem entre si ( não os 120 , é claro! ),mas pelo menos uns 22,como também exigia isso de suas imperatrizes ( pois foram duas) e elas ,contrariadas ,tinham que aceitar.Gostava de dar os remédios para os filhos quando ficavam doentes,pessoalmente e brincava muito com eles. Ele era um homem de espírito livre,feliz e equilibrado,ao contrário de seu pai e sua mãe,o primeiro, sofria de depressão e a mãe, era uma ninfomaníaca.Grande Dom Pedro!