quarta-feira, 27 de julho de 2011

NAMORO TÁCITO

O cara gosta da mulher. O sentimento inicialmente não é correspondido, mas há uma vibe estranha e sentimental no ar. Mesmo sem uma relação séria, viram amigos com benefícios. Trocam carícias apenas para suportar a falta de afeto que de vez em quando sentem. O protagonista tenta de tudo, mas não atinge seu objetivo. Esgota-se no intento de quebrar a muralha de Tróia que envolve a garota e que impede o namoro. Se cansa, se estressa, a chama de maluca, mas não desiste. Apenas deixa a relação latente esperando por um intangível desfecho. Parece que certas coisas acontecem com maior intensidade quando não as queremos de verdade ou quando não estamos trabalhando para conquistá-las. Destino ou a simples conjunção de constantes em um universo de variáveis? Na hora que menos esperamos aparece a resposta emocional. Depois de tantos ataques mal sucedidos, um desfecho mais inacreditável que a tragédia do Titanic.

Um dia algo estranho acontece. Aceito! Estava escrito lá, naquela rede social que comanda a administração do ego. A garota simplesmente liga o computador, acessa seu Facebook e muda seu status civil/internético: namoro. Com quem? Com ele mesmo, nosso herói, o rapaz que tentou de tudo.

História estranha? Muito. Se não fosse peculiar não estaria no meu blog. Aqui os fatos são que nem Kinder Ovo: sempre há uma surpresinha no final. Esse é o primeiro caso na história de pedido de namoro com efeito suspensivo, como se estivesse esperando julgamento pelo órgão colegiado, após a decisão negativa da comarca de origem. Afinal, foram só alguns meses depois que a donzela finalmente aceitou. E para completar, um namoro tácito, sem o aceite formal, sem o olho no olho. Meu amigo acordou, acessou seu pc, e descobriu que estava namorando! HOHOHOHOHOOHOH.

Porém esse Kinder tem dois ovos (não pensem bobagem). Namoro por internet é uma linha tênue. No dia seguinte, fui informado, o casal 20 teve uma conversa bastante esclarecedora para definir que não era aquilo que eles queriam. O rapaz cansou de esperar e a garota precipitou-se. Plausível. Assim, a dica de hoje é a seguinte:

"Não faça a estupidez de namorar via internet. Não dá certo. Namore a carne, física, real, nem que tenha que invadir o celeiro à meia noite e dar a uma vaca sua noite inesquecível".

                                                                     GATUS GORDUS

Um comentário:

Anônimo disse...

LUZ disse: é ,eu também acho que namoro virtual não tá com nada. Talvêz em alguns casos dê certo. Eu não sou do tempo que era olho no olho , namorinho de mãos dadas ( contato físico), dançar de rosto colado e por falar em dançar...o rapaz "tirava"a moça para dançar,olha só gente,o "carinha"era peitudo e ia lá naquela reunião dançante e pedia para aquela moça que ele tinha visto e tinha gostado, ele pedia para dançar com ela. Êta cara macho ,pois ele corria o risco dela dizer NÃO. Acreditam nisso? AH! era muito chata essa época ,não havia "amasso","pegada","beijos desentupidores de pia". O rapaz tinha que manter uma certa distância da moça , esse negócio de se encostar...nem pensar!Claro que rolava às vêzes uma encostadinha de leve,mas só se a moça gostava mesmo do cara ,aí sim,ele tinha ganho a noite. Daquela dança,poderia até rolar um namoro,quem sabe, no dia seguinte. Um telefonema , um convite para sair , mas só de tarde ,ou até às 10 hs da noite. É , naquela época ,da qual estou falando ,havia o toque,havia o beijinho...ôpa...beijinho? Sim ,beijinho ,mas só depois de uns dias de namoro,tinha que haver um conhecimento mais profundo antes.Nessa época "chata", a mulher usava vestido,saia e também calça comprida,claro,mas não essas calças de agora onde elas mostram os pêlos pubianos ( quando elas os têm ).Eu falo isso tudo,não porque tenho marcação com as meninas de agora ,não é isso.O negócio é que eu sou frustrada por não ter pertencido a essa época que a minha mãe fala tanto e que eu sinto saudades, sem tê-la vivenciado. Sinto falta daquilo que não vivi.Mas com certeza havia o toque, mãos dadas para passear,olhares apaixonados , "cartas, céus! cartas...o que são cartas?" Então,quando tocava "aquela música" hein?,meu Deus! aí sim que o mundo vinha abaixo,por causa das saudades ,das recordações. É ,eu não fui contemplada com essa época romântica , então...vou voltar para o Facebook, para o Twitter ,Orkut... Luz.