domingo, 25 de setembro de 2011

PARADOXO DO TEMPO

Você olha para o mundo como uma mosca que viverá algumas horas. Nossa inexorável ação do tempo dura pouquíssimo em um espaço consideravelmente dilatado. Aponto para a história e vejo que não somos nada. Cometemos sempre os mesmos erros aguçados por síndromes de inconstância. O poder é objeto de desejo há milhares de anos e continuará por toda a eternidade até que isto, um dia, dê causa ao nosso último julgamento. Eu acredito nos homens, tenho fé no ideal, apesar de não acreditar no caráter divino daquele rapaz que desafiou a ordem com palavras de esperança.

O paradoxo de nossa existência é muito bem definido por nossas ações. Somos falhos em todos os sentidos e apresentamos os mais diferentes problemas. A capacidade de variar é o que nos traz a evolução e a destruição; esta última, ainda, em uma intensidade menor. Devemos acreditar em nós mesmos ou fazemos parte de um plano maior, cujo livre arbítrio é condicionado por um ser supremo que, em tese, já sabe quais atitudes tomaremos, portanto, decisões já previstas? Eu vou conseguir aquele emprego amanhã? Isto está no meu destino? O filho da dona de casa conseguirá se livrar das drogas? Como acreditar em uma sociedade medrosa que todos os dias busca construir um mundo melhor, mas não pessoas melhores?

As falhas, as inconstâncias me levam a crer que nada é verdadeiro. Cada um tem seu ideal de referência e, muitas vezes, ele é terrível ao extremo. Um povo inteiro, há 66 anos, acreditou no messias do anticristo, na sua verdade, na sua palavra. O resultado revela pessoas intolerantes abarcando a análise racial como religião. Tudo é permitido, existir o mal e combatê-lo é permitido, é obrigatório e, pelo bem, devemos abdicar de determinadas coisas para fazer o que é certo, até mesmo de nossos maiores sonhos.

E lembre-se, basta olhar no céu os reflexos da humanidade. Lá estarão todas as respostas que você precisa, passado, presente e futuro.

FUUUUUUUUUIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

Um comentário:

Anônimo disse...

LUZ MARIA disse: Postagem bem complexa ,hein meu amigo Blogueiro?,mas vamos ver o que eu penso. Se olharmos para a história...a história da Humanidade , realmente não somos nada mesmo. Somos uma eterna e enfadonha REPETIÇÃO. Cometemos os mesmos erros,com certeza e com certeza buscamos alucinadamente o poder. Pais mataram filhos pelo poder,filhos mataram pais pelo poder...Mas a nossa capacidade de variar ,o livre arbítrio é que poderá dar uma nuance um pouco melhor a toda essa parafernália. Devemos sim acreditar em nós mesmos e quem sabe ,simplificar um pouco as coisas: ver a mosca morrer...sim,mas ela é nociva,porque não pensar assim? ver o Sol nascer todo o dia e vê-lo se pôr...isso faz um bem! Observar as diferentes tonalidades da flor o Amor-perfeito ( você já viu isso?)Só assim ,poderemos ter pessoas melhores, que são aquelas que amam as coisas simples...você mesmo disse:..."basta olhar no céu ,os reflexos da humanidade, lá estarão as respostas",é isso aí. LUZ MARIA.