sexta-feira, 28 de outubro de 2011

CONFRONTO DE LOBAS

Vidas, entendimentos iguais. O vento ecoava intenso, levantando as folhas mortas das árvores no inverno. Não restava mais flora, fauna, não havia mais mundo, apenas um universo particular de criaturas que disputavam o último alimento. A sobrevivência falava mais forte, duas lobas não podem habitar o mesmo lugar sem que uma submeta-se a outra. Eram orgulhosas demais para isso, por sua experiência ou por seu instinto.

Cansadas, famintas, olhavam-se frente a frente, esperando o primeiro golpe da rival. Não haveria trégua, não haveria paz, apenas um duelo que decidiria a sina de um tempo bom, onde as planícies já haviam sido cobertas pelas mais variadas espécies. A escuridão tomou o caminho da terra, e então, o ser divino apagou a luz que outrora fora tão resplandecente e magnífica. O fim de tudo.

Em disparada, mesmo fraquejando, uma das lobas correu para desferir o golpe mortal. Lenta demais. Recebeu esquivas habilidosas da parte contrária, que se organizou sobre o espaço, sobre o intelecto, sobre a morte. De virada, a loba paciente cravou suas fortes garras na invasora, fazendo-a parar, por instantes, no seu leito de dor, agonizando, relembrando fatos de sua vida e vendo a chama de seus olhos tornar-se pura pela simplicidade, substituindo o regozijo celestial pelos sonhos remotos de um recém nascido. Viveria outros tempos, longe da Terra.

Pronta para colher os louros, a loba vitoriosa soltou um uivo que ecoou por todo o espaço. Virou-se para baixo preparando-se para cravar os dentes no troféu, quando estagnou, fechando seus olhos em arrependimento. A rival morta, com o corpo retorcido pela prévia dor excruciante, guardava uma característica conhecida, comum, algo que já havia visto antes. Observou melhor e sentiu o inevitável choque das más decisões: partilhavam da mesma prole. Irmãs de sangue alvejadas pela necessidade e separadas por um duelo mortal.

Chorou lágrimas estáticas, deu gritos silenciosos e acomodou-se ao lado do corpo caído. Esperaria a mão negra do destino levar-lhe junto para onde quer que fosse, até que o tempo suportasse, e a alma não se sustentasse. No último raio de sol daquele dia, uma mensagem para todas as criaturas: irmandade!

----------------------------------------------------------------------------------

Às vezes é mais fácil escrever histórias humanas sob a forma de metáforas. Uma homenagem a duas amigas que se estranharam e esqueceram suas origens. Veja bem quem você está ferindo, não vá se arrepender depois, a não ser que o motivo seja algo mais forte que a própria humanidade de cada um.

FUIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

BOM FINAL DE SEMANA!

8 comentários:

SELENA disse...

Meu amigo Blogueiro ,em cada postagem nova, você se supera cada vêz mais. Que história linda e comovente. Tão próxima a nossa realidade, tão próxima de nós...sêres humanos tão frágeis em suas emoções. Um grande abraço.
Obs:li um comentário de uma blogueira que se dizia ser sua mais fiel seguidora...diga a ela que não, que EU sou sua mais fiel seguidora.Selena Linhares.

MARIA QUITÉRIA /QUITA disse...

Cara...vai ganhar dinheiro escrevendo. O que você está esperando?
Se o Paulo Coelho escreve , o Juremir Machado escreve...
O que você está esperando?
Parabéns pela bela Postagem.É uma história e tanto!

Gabriel disse...

Obrigado pelos belos comentários, pessoal! De fato, quando a inspiração vem, ela me leva a lugares que nem eu imaginava que conheceria. Estou sempre tentando postar mais e mais conteúdo. Quem sabe, um dia, eu não possa trabalhar com isso? heheheh

bjos e abraços!

Anônimo disse...

Confesso que me escorreu uma lágrima. hehehehehehehehe
As vezes pensamos tanto em vencer, vencer e vencer e esquecemos de quem somos, passando por cima de quem estiver na frente. Feliz é aquele que encontra riqueza nas pequenas coisas, nos momentos mais singelos.
by lokobeer

Anônimo disse...

LUZ MARIA disse:Eu acho que a vida é muito boa de ser vivida e quem não sabe fazer isso, me perdoem , são uns idiotas.Problemas existem , dúvidas existem,coisas ruins...muitas.Mas como o meu hino é aquela música:"é preciso saber viver",eu faço minha parte.Odeio pessoas que perdem tempo com "zigueziras"(conhecem este termo?)eu que inventei para denominar aquelas pessoas( ziguezirentas) que dedicam TODA A SUA VIDA em "encher o saco",dos outros,prendendo-se em pequenas bobagens,esquecendo das grandes coisas que existem e estão por aí,no ar,no céu,dentro de casa e principalmente nas pessoas ( as Lobas!).Vamos valorizar o BEM e relevar as zigueziras.LUZ.

Anônimo disse...

Gabri, a lobas ressuscitaram, umas delas voltou para seu grupo e a outra resolveu que achar um novo grupo seria o melhor a fazer.
A loba que foi morta, eu, no caso, já que, na vida real, fui eu quem levou o golpe, não esquece os momentos que passou com a loba maldosa,mas segue a vida de uma forma justa e sem mentiras. Beijos, tu sabe de quem.

Mariah disse...

Achei linda esta postagem.Tu sabes escrever hein cara?
Fiquei com pena das meninas.Mas,dependendo do grau do que aconteceu realmente e isso,só elas é que sabem ,eu,particularmente acho que tem coisas na vida que são ditas...feitas,que ficam difíceis de serem refeitas,de voltar ao que era antes.Porisso ,acho muito válido o seu dito de que devemos pensar muito no que dizemos e fazemos (ferir)aos outros e só fazer ,ou dizer se o motivo for realmente mais forte que a própria realidade de cada um.Acho também que os OUTROS só fazem para a gente aquilo que deixamos eles nos façam.

Anônimo disse...

Sei quem são estas duas lobas e a elas,mando meu recado: duas idiotas que não sabem viver e quando ENTENDEREM o que é VIVER,será tarde...muito tarde!Porque a fila andaaaaaaaaaaaaa..........a vida não espera que elas se levantem e lambam as feridas e nem as pessoas que estão na volta delas...ah!,não esperam mesmo! A idade avança...
Sem essas babaquices( dos comentários) de: ferir aos outros!,ter ciúmes!,ah, a loba má!, esquecemos de quem somos!, só queremos vencer! a vida é muito curta! a vida é muito bela..., a loba "boazinha" não esquece o que passou nas "garras" da loba "ruinzinha"!VÃO SE DANAR!.O que tá faltando para essas LOBONAS BOBONAS é apenas uma palavrinha: educação ( não tiveram quando crianças...),não levaram pau o suficiente. meus pêsames a essas duas babacas.
E parabéns pela "bela pegada" da situação, do Blogueiro.