segunda-feira, 16 de abril de 2012

GATO GORDO MUDA DE ENDEREÇO

Foi bom enquanto durou! Mas esse tom marrom envelhecido já estava me dando nos nervos. Se desejo profissionalizar o blog ao ponto de ganhar a mídia com ele, eu deveria começar pelo design.

O Gato Gordo sai do blogger e parte em direção ao Wordpress, outro servidor. A nova plataforma possui muito mais recursos, além de ser, visualmente, mais dinâmico.

O primeiro Gato Gordo permanecerá aqui para sempre. Não vou excluí-lo. Mas aviso aos seguidores para me acompanharem no novo site. Cliquem neste LINK e sejam felizes!

Adeus, blogger!

sexta-feira, 13 de abril de 2012

YAHOO E O TITANIC

O Yahoo causou rebuliço, nos últimos dias, ao revelar supostos mitos que o cinema criou frente ao Titanic. Confiram no site. Bem, o que dizer sobre isso? O texto está extremamente confuso, mas vamos lá para a parte que nos interessa, pois acho que muita gente foi má influenciada:

1) Diz-se que a companhia White Star anunciava a embarcação como “inafundável”. Em uma das cenas do filme “Titanic” (do cineasta James Cameron), a mãe da heroína Rose observa o navio no porto, antes da partida, e comenta: “Então este é o navio que dizem que não afunda”.

Segundo o cientista Richard Howells, do Kings College, de Londres, na Inglaterra, a companhia nunca afirmou que o navio era “inafundável”. O termo começou a ser usado pela imprensa e indústria do cinema após o acidente.

Minha visão: Independente do filme de 1997, eu assistia e lia outras fontes nos anos 90, e até os dias atuais. Não sei quem é esse autor, mas afirmo que eu possuía um VHS - documentário - sobre o Titanic, que apresentava o vídeo de abertura do navio sob os ditames: "Not even god can sink this ship". Tal vídeo fora produzido pela White Star. Sim, O TRANSATLÂNTICO FOI CONCEBIDO COMO INAFUNDÁVEL.

Enquanto não acho o vídeo na internet, fiquem com um recorte de jornal de P. A. S. Franklin, vice-presidente da "International Mercatile Marine", que confirma sua fé no "unsinkable" Titanic:


E ainda posto o registro de uma peça publicitária da White Star Line, datada de 1911, que falava dos "gêmeos", Olympic e Titanic:


2) Joseph Bruce Ismay, presidente da White Star, foi acusado de mandar acelerar o navio e escapar da embarcação no primeiro barco salva-vidas disponível, deixando para trás mulheres e crianças. Ele foi execrado em Nova York e aposentou-se falido em 1913.

Lord Mersey, que comandou o inquérito britânico em 1912, chegou à conclusão que Ismay ajudou vários passageiros antes de entrar no barco salva-vidas. “Se ele não tivesse se salvado, salvaria apenas mais uma vida”, pontuou Mersey em relatório.


Minha visão: ele foi temerário com relação ao aumento da velocidade do Titanic. Isso deveria bastar. O Yahoo quer me fazer acreditar que Ismay foi um herói por ter ajudado algumas pessoas. E as outras todas que ele matou por não carregar botes suficientes a bordo? Isso é assunto da direção. Aliás, essa questão dos botes reforça a tese do inafundável.

3) O comandante do navio, capitão Smith, foi retratado como herói no cinema e ainda ganhou estátuas e cartões postais. Porém, ele é apontado por especialistas como o principal culpado pelas falhas na estrutura de comando a bordo. Smith não deu atenção aos alertas contra gelo e iceberg nem reduziu a velocidade da embarcação quando já se sabia da presença de gelo na rota do navio.

Minha visão: Aí, eu concordo em tudo. Smith não era um capitão habilidoso - inúmeros incidentes na carreira, mas conhecia as leis de bordo. Também vejo erros em seu tratamento como herói. Apesar disso, foi um homem de honra, pois permaneceu no navio até o fim.

4) O filme “Titanic” mostra que os passageiros da terceira classe foram forçados a ficar longe do deck e impedidos de alcançar os barcos salva-vidas. Richard Howells, do Kings College de Londres, afirma que não existe evidências para confirmar tal história.

Evidências apontam que os portões estavam fechados na noite da tragédia e que só depois de a maioria dos barcos salva-vidas terem partido é que os eles foram abertos. Menos de um terço dos passageiros da terceira classe sobreviveram.


Minha visão: notem os trechos que destaquei. Em um parágrafo o Yahoo diz que não há como comprovar a história dos portões da terceira classe. No outro diz que, de fato, há evidências para acreditar que eles estavam fechados. Qual é a verdade?

--------------------------------------------------------------------------

A história do Titanic sempre vai gerar divergências. Convenhamos não há ninguém vivo que tenha presenciado a tragédia, ou seja, os estudos se baseiam em testemunhos e probabilidades. Sim, muito do que afere ao navio é completado pela imaginação, mas não há vergonha nenhuma nisso. Nunca chegaremos a um consenso sobre os reais culpados e sempre haverá a discussão. Só não aceito donos da verdade. O Yahoo publicou, de forma extremamente confusa, os dizeres de meia dúzia de autores como se fossem a real e definitiva história. Aposto que há muitos outros que discordam dessa versão.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

[PERSONALIDADE DO DIA] - THOMAS ANDREWS

Engenheiro chefe do Titanic, Thomas Andrews foi um homem de honra. Como era de se esperar, embarcou para a viagem inaugural - da qual jamais voltaria. Quando o navio colidiu contra o iceberg, foi chamado as pressas pelo Capitão Edward Smith, para avaliação das avarias. Em uma reunião com as autoridades a bordo, disse o que ninguém gostaria de ouvir: "o Titanic vai afundar". Andrews é tido como um dos heróis da tragédia, pois até momentos antes do naufrágio, ainda corria pelos corredores distribuindo coletes salva vidas. Na última vez que foi visto, se encontrava no fumódromo da primeira classe, olhando para o quadro "approach to the new world"; estarrecido, abalado, desacreditado. Se não pôde fazer um navio forte o suficiente, morreria com ele.


quarta-feira, 11 de abril de 2012

BALMORAL REFAZ VIAGEM DO TITANIC

A notícia é meio antiga, mas válida. O navio Balmoral, do grupo homônimo, está,  neste momento, em alto mar refazendo a fatídica viagem do Titanic. A bordo, descendentes de imigrantes, estudiosos, professores, entre outras personalidades. O mais curioso é a representação da época conforme seus costumes. Vejam pelas fotos: pessoas trajadas a rigor, entre outros aspectos. Muito, muito interessante.








Será que esse vai afundar também?

[PERSONALIDADE DO DIA] - BRUCE ISMAY

Diretor da White Star Line - empresa construtora - Bruce Ismay ingressou na viagem inaugural do amaldiçoado transatlântico. Um dos homens mais conceituados de sua época, Ismay foi um dos maiores defensores da tese do "inafundável navio". E foi dele também a ideia de aumentar a velocidade do Titanic em uma região repleta de icebergs. Diferente de Thomas Andrews e do Capitão Smith, acabou se salvando nos botes salva vidas, em um ato de sobrevivência. O diretor quis fazer da estreia um sucesso absoluto, mas acabou recebendo um imenso fracasso. A sociedade da época jamais o perdoaria.

terça-feira, 10 de abril de 2012

[PERSONALIDADE DO DIA] - ROBERT BALLARD

Em 1985, esquecido pelo tempo, o Titanic voltaria à superfície. A notícia de sua descoberta no fundo do oceano, há uma profundidade de quatro km, seria um fator que levaria a muitos questionamentos. Robert Ballard, um pesquisador submarino, foi o homem que descobriu os destroços do transatlântico. Sob a política de "observe, mas não toque", Ballard acredita que a tragédia ocorreu por algum motivo maior, e que aquele santuário de sofrimento humano não deveria ser violado.


Em 2005, vinte anos depois, o pesquisador retornou ao Titanic a partir do convite de uma empresa de televisão. No retorno, se impressionou e lamentou o estado de depredação navio. Sua política era ética, mas não seria a mesma de tantos caçadores de tesouros que existem por aí. Ele ainda havia deixado no local, em 1985, uma placa de bronze em homenagem as vítimas. Pergunte se, em 2005, a placa continuava lá?

Abaixo posto o vídeo - disponível no Youtube - da segunda expedição de Ballard. É sensacional. Ele, realmente, é um homem que estuda a história através da observação e da imaginação, sem destruir resquícios passados da humanidade. Sua postura é admirável.


SEMANA ESPECIAL TITANIC

Era um palácio flutuante, um navio dos sonhos. No dia 10 de Abril de 1912, o RMS Titanic partia de Southampton, na Inglaterra, com destino a Nova York. Jamais chegaria a seu destino e entregaria, ao mar, o repouso final de seu maior titã. A história do transatlântico é fascinante até os dias atuais. A forma como aconteceu, as pessoas que pereceram sob as gélidas águas do Atlântico, e a combinação inacreditável de elementos que fizeram da tragédia um verdadeiro mistério.


O Titanic foi um paradoxo gerado pelo confronto do homem contra a obra divina. As manchetes da White Star Line - empresa construtora - para a viagem inaugural, diziam que nem Deus poderia afundá-lo. O homem, portanto, mexeu com forças que não entende, pois a combinação de fatores que levaram ao naufrágio parece completamente impossível. Foram tantos erros que fica difícil de acreditar apenas na coincidência. Binóculos dos vigias que nunca apareceram; quantidades insuficientes de botes; aumento irresponsável da velocidade do navio em uma região repleta de icebergs, e o fato incrível de que o Titanic poderia suportar-se na superfície com quatro compartimentos perfurados em seu casco: cinco foram destruídos. Tivesse um desses acontecimentos sido suprimido, e talvez o vaticínio do transatlântico fosse diferente.


O Titanic me faz pensar que não somos nada. Medindo quatro quarteirões de uma cidade e com a altura de um prédio de onze andares, foi abatido por uma única estrutura de gelo que mal sentiu o choque. E agora, bem no fundo do mar, a única coisa que o navio guarda são objetos pessoais perdidos, de pessoas que tiveram seus sonhos destruídos.

No dia em que o navio partiu, inauguro a semana Titanic!

segunda-feira, 9 de abril de 2012

GATO GORDO ENTREVISTA: RENATA AZEVEDO

Hoje o Gato Gordo vai agir em defesa daqueles que não têm voz ou ímpeto quando seus direitos ficam ameaçados. A impunidade, que achávamos exclusividade para com seres humanos, perpetua-se covardemente sobre todos os reinos da vida. Os animais deixaram de ser meros expectadores do mundo. Restou a nós protegê-los. Para tal, hoje faremos uma entrevista com Renata Azevedo, analista ambiental do Instituto Chico Mendes.

1) Olá, Renata, tudo bem? Você trabalha com a gestão ambiental tendo os animais como extensão da destruição do meio em que vivem. Além das práticas laborais inerentes a seu cargo, você exerce alguma espécie de ativismo?

Renata: Não chamaria o que eu faço paralelo as minhas atividades como analista ambiental de “ativismo”. Na verdade, por morar na Amazônia e sempre ter trabalhado em órgãos ambientais, eu sempre estive muito próxima dos animais silvestres, seja convivendo com os animais apreendidos, com os animais entregues de forma voluntária. Muitas vezes, eu acabo cuidando dos filhotes órfãos (vítimas do tráfico e da caça) entregues nesses órgãos (secretarias de meio ambiente, Ibama, Icmbio), animais que são atropelados, animais que precisam de cuidados especiais... também apóio o Ibama na destinação dos animais que não podem voltar pra natureza, buscando zoológicos e criadouros em todo Brasil.

O que acontece é que somos poucos na área ambiental, principalmente aqui na Amazônia, então nós precisamos trabalhar de forma integrada, apoiando uns aos outros. E quando aparecem esses animais desamparados, acabamos assumindo a responsabilidade de ajudá-los a se restabelecer e destiná-los de acordo com cada caso. Nesses sete anos de Amazônia, já cuidei de onças a tamanduás, passando por macacos, porcos do mato... Faço isso por amor e, principalmente, porque esses animais não têm culpa de serem retirados da natureza, na maioria das vezes, de forma cruel e traumática, assim como, quando são atropelados, retirados de suas mães, capturados para servirem ao tráfico.

2) As campanhas de defesa aos animais estão crescendo nos últimos anos. O que de prático esse tipo de movimentação tem trazido? Há uma mudança geral na consciência da população?

Renata: As campanhas têm sido bastante insuficientes. O problema é gigantesco e eu tenho dúvidas se teremos tempo de reverter essa situação. A grande questão é que somos (profissionais da área ambiental, simpatizantes, pessoas com maior consciência ambiental) muito poucos e, além disso, a batalha contra os interesses econômicos acaba sendo muito desleal. Pra mim, a única solução é uma mudança radical e rápida de consciência da população. Deixar o pensamento egoísta de lado e pensar no coletivo, pensar que nós fazemos parte desse meio ambiente que tanto se fala e que nós somos responsáveis por mantê-lo equilibrado para garantir a integridade e a sobrevivência das próximas gerações, ou seja, dos nossos filhos, dos nossos netos. Se existe uma chance de mudarmos esse cenário desastroso, é através da mudança de pensamento das pessoas. Somente uma população consciente dos danos que estamos causando a nós mesmos é capaz de reverter esse quadro. É preciso adotar hábitos/práticas menos degradantes e, principalmente, cobrar dos governantes políticas públicas ambientalmente aceitáveis, mas que saiam do papel e aconteçam na prática.

Sim, a gente percebe uma consciência um pouco maior da população, mas não sei se suficiente. As pessoas ainda se colocam muito distantes dos problemas ambientais, acompanhando as mudanças apenas como espectadores, como se fossem incapazes de fazer alguma coisa. Quando na verdade, a mudança deveria vir exatamente da população! Como eu falei anteriormente, na mudança de hábitos, cobrando ações efetivas dos governantes, saindo de suas zonas de conforto e agindo, se mexendo pela manutenção da “nossa casa”.

3) As penalidades impostas aos que sequestram, maltratam ou matam animais têm caráter primordialmente repressor? Ou a questão educativa também é preponderante? E mais, têm trazido efeitos?

Renata: Lei de Crimes Ambientais (9.605 de 1998) em seu artigo 29 diz que: matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida, tem como consequência a detenção de 6 meses a 1 ano, além da multa. Infelizmente, não conheço uma pessoa, nem mesmo os maiores traficantes, que foi presa por cometer crime contra a fauna. O que eu quero dizer com isso é que, infelizmente a questão ambiental no Brasil, não é levada a sério. O governo não leva a questão ambiental à sério e, consequentemente, os infratores continuam cometendo crimes ambientais pois sabem que as penalidades previstas não serão aplicadas, as multas não serão pagas e nada acontece!

Trabalhar a educação ambiental é fundamental! É um trabalho de formiguinha que, em muitos lugares, tem resultados bastante expressivos, principalmente, quando feito com crianças. Infelizmente, só educar não basta. A velocidade, a crueldade e a ignorância dos crimes ambientais é assustadora, o que torna a repressão mais que necessária.

4) A evolução capitalista ainda está muito longe de ficar consoante a preocupações ambientais?

Renata: Eu acho que esse é o grande desafio da nossa batalha! Convencer que é possível desenvolver um país, um planeta de forma sustentável. A tecnologia está aí, à disposição dos países. Hoje em dia temos alternativas sustentáveis para quase todas as práticas que utilizam os recursos naturais como fonte, é só querer! Infelizmente, não podemos ser tão inocentes a ponto de esquecer que a ganância é dominante. O dinheiro, o lucro, o “ganhar cada vez mais a qualquer custo”, sempre vão se sobrepor a qualquer questão, seja ambiental, social.

5) Recentemente, o irmão mais velho do Gato Gordo, o Gato Obeso, foi atropelado por um caminhão. Quinze vezes, ida e volta. Por sorte, o invólucro enorme de banha que acompanha o felino foi suficiente para amortecer o impacto das rodas, de modo que não houve prejuízo a integridade corporal do mesmo. Se um dia uma pessoa presenciar um acontecimento como este ou, no caso em vogue, maus tratos contra animais silvestres, a quem deve se dirigir primeiramente?

Renata: Qualquer tipo de maus tratos a animais silvestres ou domésticos deve ser denunciado aos órgãos ambientais. Se você presenciar uma cena de maus tratos a animais ou souber de algum caso, é seu dever denunciar. No caso de animais domésticos, procure as associações protetoras de animais que, com certeza, darão mais importância a sua denúncia e a chance de alguma coisa ser feita é maior. No caso de animais silvestres, procure o órgão ambiental, seja municipal (secretaria de meio ambiente), estadual (Fepam) ou federal (Ibama), e faça a denúncia.

6) Pode-se afirmar que a Agenda XXI, resultante da Convenção das Nações Unidas no RJ em 1992 sobre o meio ambiente, é a grande cartilha do desenvolvimento sustentável?

Renata: A Agenda 21 é mais um dos tantos documentos, tratados e acordos firmados, mas que pouco acontecem na prática. Criar acordos, estabelecer metas, sem o real comprometimento dos países, não adianta muito. Estamos a poucos meses da Rio+20 e eu confesso que estou bem curiosa para saber qual vai ser o balanço da revisão das metas estabelecidas em 1992, o que de fato está sendo cumprido e as novas metas que serão estabelecidas. É muita política, muita conversa e pouca prática!

7) Existem diversas espécies sob risco de extinção. Quão alarmante é o estudo nessa área?

Renata: A principal ameaça à perda da biodiversidade é a destruição do habitat. A velocidade com que os ambientes são destruídos juntamente com as mudanças ambientais que vivemos, ameaçam fortemente as espécies. A cada dia perdemos milhares de espécies e o mais grave é que, muitas dessas, são espécies que ainda nem conhecemos, que ainda não foram descritas. Existem vários estudos que fazem previsões bastante pessimistas, porém bem realistas, que apontam que, 150 espécies são extintas todos os dias no mundo.

8) Certa vez eu estava conversando com um amigo e ele precisou ir ao banheiro. Antes, porém, ele disse que lá iria "cortar o rabo do macaco". Você que conhece dos direitos animais, por favor, poderia me explicar a frase? Devo denunciá-lo a algum órgão de proteção?

Renata: Não tenho a menor ideia do significado desta expressão!

9) Os recursos que o Instituto Chico Mendes dispõe são suficientes para uma efetiva cobertura da gestão ambiental? Ou há muito a ser feito?
Renata: Sem dúvida os recursos ainda são bastante escassos e insuficientes para uma gestão eficiente das unidades de conservação. Pra se ter uma ideia, o orçamento do Ministério do Meio Ambiente é um dos menores, o que reflete a importância que o governo brasileiro dá ao tema.
O Brasil tem um longo caminho a percorrer no que diz respeito à gestão de unidades de conservação. Estamos muito atrasados para não dizer engatinhando! Deveríamos aprender e copiar os exemplos bem sucedidos de gestão que temos em vários países do mundo. Claro que eu duvido que tais exemplos não sejam conhecidos pelos tomadores de decisão, por isso, como falei anteriormente, acredito que o que falta é interesse!
10) Aproveite o espaço desta última pergunta e mande uma mensagem a população. Fale algo pertinente que a coletividade deva saber visando a preservação do ambiente e dos direitos daqueles que não tem voz para se defender.
Renata: Eu acho que a principal mensagem que posso deixar aos leitores é que cada um faça uma reflexão sobre o seu papel nessa batalha. O que eu estou fazendo pra tentar reverter esse quadro? Se não estou fazendo nada, será que não está na hora de começar a pensar? De começar a agir? De mudar hábitos?
Se ainda temos alguma chance de reverter essa situação, podem ter certeza que essa mudança tem que partir de nós, da sociedade.
Renata Bocorny de Azevedo – Bióloga, Especialista em Animais Silvestres e Mestre em Zoologia pela PUCRS.
Analista Ambiental do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio

ERA ISSO POR HOJE!

domingo, 8 de abril de 2012

sexta-feira, 6 de abril de 2012

PÁSCOA DO MAU HUMOR

Impressiona-me como há gente chata no mundo. Bando de mal-humorados que reclamam de tudo e todos. A Páscoa está aí. Deveria ser um momento de reflexão, de revigorar valores junto à família, mas não, sobra até pra ela. Navegava no Facebook, nos últimos dias, quando me vi de frente com uma foto que dizia o seguinte: "Não compre ovos de Páscoa. Compre barras de chocolate". Li e pensei no pior. Se até uma tradição simples, como o ovo de Páscoa, querem derrubar, o que vai ser do mundo?

Concordo em parte com a frase. Sabemos que as festas coletivas são bem aproveitadas por empresas que querem passar a mão gorda no nosso rico dinheirinho. Elas estão erradas? Não, pois há mercado, e um mercado movido pela cultura. Barras de chocolate carregam mais gramas; ovos de Páscoa são estruturas ocas, menores e, por vezes, enganosas. Bom, sim, e daí? Conseguem imaginar o dia sem o ovo? Conseguem imaginar o Natal sem o Papai Noel? Eu não consigo. Custa mais caro, é verdade, mas nem tudo é dinheiro. São coisas simples, como essas, que dão alegria aos encontros familiares. Os singelos ovinhos, por exemplo, são aqueles que mantêm a esperança e inocência das crianças! Dê uma barra para os pequenos. Que divertido, hein? Dê um ovinho e receba um sorriso. Há uma grande diferença. Se alguém desejar ser sustentável ao ponto de quebrar as tradições, que o faça, mas não impeça os outros de desfrutarem de sua felicidade cultural. Aliás, prefiro ser duro: deixem de ser um bando de chatos que odeiam o mundo como ele é!

Não quero ser alienado e esquecer, pelo menos àqueles que vivem da religião cristã, que a Páscoa marca a Ressurreição de Cristo. Os ovos são consequências dos séculos. Mas eu diria que muito mais do que dogmas religiosos, Deus deve ficar feliz de ver a alegria estampada nas reuniões de família, pois é lá que a felicidade se sucede. Se estiverem todos felizes, Jesus morreu por um bom motivo. Não atribuam, a Páscoa, amenidades bobas, mal humoradas. Garanta a ela o ideário do homem que vê - lá do céu - os pequenos detalhes da convergência humana. E o ovo, nesta data, é um pequeno detalhe que faz toda a diferença.

Ótima Páscoa a todos! E desfrutem dos ovos, seus gordinhos. Semana que vem quero ver todo mundo na academia, hein?

quarta-feira, 4 de abril de 2012

O CICLO DA VIDA

Saudade da época onde os desenhos eram bonitos e traziam mensagens para a criançada!


terça-feira, 3 de abril de 2012

[PERSONALIDADE DO DIA] - HUGO DE PAYENS

Após a retomada de Jerusalém pelos cristãos, um conjunto de nove cavaleiros se dirigiu a Terra Santa - a mando do Papa Urbano II - para proteger peregrinos que voltavam a habitar a região. Liderados por Hugo de Payens e Godofredo Saint-Omer, aproximaram-se do então rei Balduíno II, buscando apoio nessa empreitada . Balduíno se interessou pela ideia e lhes cedeu o Templo do Rei Salomão como assentamento. Em 1118, então, deu-se início a maior ordem cavalariça da história: os Templários. Hugo de Payens tornou-se o primeiro grão-mestre e liderou os cavaleiros do templo por dezoito anos, até sua morte em 1136.


Os Templários exercem fascínio até os dias atuais. O mistério reside na lenda de que os cavaleiros encontraram algum segredo no Templo do Rei Salomão (fato que os fizeram amplificar a ordem). Que segredo era este? Santo Graal, Arca da Aliança? Ou, simplesmente, nada? Já falei no blog sobre o último grão-mestre: Jacques DeMolay. Confiram.

domingo, 1 de abril de 2012

O INTERNETÊS

O Gato Gordo, neste domingo de primeiro de Abril, foi assolado por forças rivais que conseguiram dominá-lo por algumas horas. Felizmente, consegui retomar o poder a tempo de garantir a continuidade deste que é o melhor blog do mundo - e do universo também. Na verdade, tudo não passou de uma brincadeira. Uma seguidora minha já disse que escrevo para todas as idades. Notei que a piadinha do dia da mentira agradou as classes mais jovens. É natural. O humor meio bobinho nunca deixou de ser engraçado. E uma mudança como essa - na estrutura do blog - chamou a atenção!

Mas a questão dessa postagem é justamente o jovem. Compilei um texto esdrúxulo, recheado de erros de português, para demonstrar o que vejo na internet nesses dias de era digital. É cada atentado grosseiro a língua, modificações não convencionadas na grafia das palavras, entre outras coisas absurdas. Há pessoas que se acostumam tanto a escrever dessa forma errônea, que acabam incorporando esse lixo ao seu vocabulário. E aí temos um problema. Já não é fácil educar, e o internetês complica mais ainda com sua linguagem inexplicável. Às vezes, quando converso com transeuntes internéticos, acabo por pedir que repitam suas frases - em português - dada minha incapacidade de compreendê-las. A comunicação escrita é uma grande força de expressão, mas alguns indivíduos a contaminam. É triste de ver, mas inerente suportar. Não são poucos os blogs aonde o uso da língua é atordoado. E o pior: atrai público. As palavras ganham um Carnaval fora de época, ficam fantasiosas e cheias de signos que ninguém sabe identificar. Se essa é a tendência de futuro, eu não quero participar dele.

Assim, a postagem diretamente abaixo foi uma brincadeira seguida de uma crítica. O primeiro de Abril está aí! Onde está o senso de humor das pessoas? Fiz questão de mascarar um texto - através de uma piada - para fazer uma avaliação sincera sobre como usuários se utilizam do meio digital. Deveríamos começar por reciclar conceitos em casa. Se isso não acontecer, já disse o falecido José Saramago: "(...) vamos descendo, de degrau em degrau, em direção ao grunhido".

Escrevam direito, pô!

Era isso por hoje!

UM ANO DE CADELA PRENHA


EW TINHA UMA VAKA QUI SI XAMAVA CADELA. A VACA ERA FEYA E DEFECAVA MUNTU. UMA VEIZ ELA TAVA GRAVIDA. FOI LAH UM BURRO CHUCRO E FEZ O SERVIÇO. ELA PARIW TREIS CAXORROS MANCOS E COM O CHIFRE DO UNICÓRNIO. VENDI US TREIS POR TREIS FEIJÃOOS MAGICUS. MINHA MÃE ME XINGOU E DISSE QUE EU IA SER UM FRACASSU PRU RESTU DA VYDA. FIQUEI TRISTI, RAIVOSU E FIZ O QUE QUALQUER HOMI FARIA: FUI PRO BANHO CHORAR NO CHUVEIRO OUVINDO MÚSICAS TRISTIS. AÍ EW PENSEY QYE PODIAH FAZÊ UM BLOGUI, POIZ SOW MUNTU INTELIGENTI E GOSTU DI ISCREVER. E TAMBÉINS GOSTU MUNTU SE SUCU DI UVA.

TCHAU, GATU GORDU, ACABÔ, AGORA EH CADELA PRENHA.

sexta-feira, 30 de março de 2012

CASILLAS

Casillas, goleiro do Real Madrid. Olhem o que ele fez! Que feio!

quinta-feira, 29 de março de 2012

UM ANO DE GATO GORDO II

Parece que foi ontem, mas a criança cresceu, ficou gorda e tomou a forma de um blog cultural. Essa é a vida e obra de Gato Gordo, o personagem que contagia a todos com sua flacidez exuberante e com seu conteúdo extraordinário. Um ano depois, o site que começou pessimista em relação a sua continuidade, prevaleceu sobre diversos fatos ao longo dos últimos 365 dias e garantiu sua sobrevivência.

Já falei um pouco das origens, mas essa semana é especial. Estava lá eu, um pequeno mancebo de vinte e dois anos - início de 2011 - pensando em alternativas sobre o que fazer do futuro. Cogitava coisas práticas e tangíveis: morar na praia - em uma casinha de madeira - recebendo o amor de uma índia e vivendo de nossa paixão. Uma Iracema não seria má ideia, mas onde a encontraria? Os malditos portugas eliminaram todas! Pensei de novo: achar uma senhora de idade - carente e fútil - trocando minha juventude por seus dólares. Gostei, porém lembrei que muita gente já faz isso. Queria ser original. Não quero citar nomes, mas... SUZANA VIEIRA, ANA MARIA BRAGA! Então raciocinei pela derradeira vez: no que sou bom? Escrever. É isso! Eureka! Vou fazer um blog. Mas o que eu falaria no blog? Hum, o que eu gostava de ler? História e cotidiano. Formando a base, a torneira da criação se abriu e o site surgiu. Entretanto ainda faltava um elemento importante: o nome. Precisava de algo impactante. Algo que todos gostam ou desgostam. Visitei meu irmão e lá fui recebido por meus sobrinhos, os dois gatinhos Zigfrid e Ludvig (respectivamente nas fotos).


Dois bichanos muito bem acostumados que carregam uma pochete farta de gordura na região do abdômen. E então me veio a ideia: quem é que não gosta de um gato bem gordo? Ninguém! E eu ainda tenho alergia. Uni o útil ao desagradável.


O pensamento inicial era dividir o blog com um amigo. Cada um postaria uma vez a cada dois dias. Não rolou. Fiquei sozinho, mas dei seguimento ao processo. E assim surgiu a lenda de Gato Gordo. Um ano que era para ter durado alguns meses. Nem eu tive fé no início. Achava que não daria conta, mas sobrevivi e agora estou mais forte que nunca! Não é fácil escrever todo o dia. Ou melhor, fácil é. Poderia escrever qualquer besteira, mas eu conseguiria tocar as pessoas? Não. Impus-me muita responsabilidade, mesmo sem ganhos financeiros, apenas ganhos intelectuais - meus e da coletividade.

E vamos para mais um ano! É a semana Gato Gordo de festividades!

quarta-feira, 28 de março de 2012

UM ANO DE GATO GORDO

[Hoje não serei eu, Gabriel Guidotti, que postarei no Gato Gordo. Um anônimo - seguidor do blog - veio até mim e pediu o espaço neste dia. Confiram na íntegra o que ele tem a dizer]
28 de março. Poderíamos estar comemorando o aniversário de Maximiliano III de Baviera, Comenius, Fernando Filipe de Saxe-Coburgo-Gota ou Nikolai Rezanov. Porém, nesta mesma data, exatamente há um ano, nascia um blog com uma pretensão ínfima, simplesmente, ser o melhor blog sobre história que o mundo já presenciou.
Com o nome de Gato Gordo e com um carismático Gato-de-botas enxuto como mascote, esse meio de comunicação estreou com a notícia intitulada “E QUE SE FAÇA A LUZ! (trazendo a reportagem de uma curiosa frase dita por Adolf Hitler que, ao avistar a Torre Eiffel, indagou sobre sua beleza arquitetônica), sendo tal feito histórico acompanhado por pouco mais de meia dúzia de leitores (dentre os quais me incluo).
Assim, começou a trajetória desta modesta fonte de conhecimento, com excelentes artigos publicados pelo seu criador, Gabriel (The Guy) Guidotti, os quais, geralmente, traziam curiosidades sobre fatos históricos, desconhecidos até mesmo dos indivíduos mais chegados ao estudo do passado (dentre os quais não me incluo), provenientes da constante leitura (que ultrapassa 15 livros anuais) e insaciável atualização de seu escritor.
Importante enfatizar que, desde muito jovem, nosso herói já demonstrava uma aptidão nessa matéria, preenchendo de conteúdo cultural as velhas conversas entre amigos, as quais geralmente se resumiam ao conhecido “besteirol” e análise dos transeuntes que passavam por perto.

Com o passar do tempo, o Blog histórico também começou a apresentar acontecimentos presenciados no cotidiano. Casos banais, incomuns, que envolvem pessoas desconhecidas ou amigos próximos, que servem para quebrar o gelo, entreter o público, mostrar uma lição de moral ou, apenas, narrar. Da mesma forma, começaram a ser publicadas algumas imagens inusitadas encontradas na internet ou de criação do próprio autor, as quais também recheiam as publicações, desencadeando risadas, mas que também podem causar uma lágrima... (brincadeira, só se for lágrimas de tanto rir).

Assim, com conteúdos diversificados e interessantíssimos, nosso guru das notícias transformou o pequeno Blog Gato Gordo, que iniciou timidamente com a idéia de um único homem, em um dos mais respeitados blogs sobre acontecimentos históricos, com centenas de leitores assíduos e um número cada vez maior de seguidores e divulgadores do seu trabalho.

No mundo atual, em que os sistemas de comunicação e informação realizam verdadeira lavagem cerebral na humanidade, manipulando-a com programas e atrações que tornam as pessoas cada vez mais burras e desinformadas, louvável a iniciativa dessa voz dissonante que ousou sair do silêncio, ousou se manifestar onde muitos se calaram, que pregou seus ensinamentos, ponto de vista, críticas, além de proporcionar um acréscimo intelectual a todos os seus discípulos que escutam atentamente aos ensinamentos deste sábio nome entre os mortais que caminham sobre o solo da Mãe-terra.

Ainda, se não fosse o bastante, tal blog diverte e alivia o stress do dia-a-dia, fazendo a população esquecer das mazelas sociais e pessoais, misturando humor e sarcasmo e deixando sempre um gostinho de “quero mais” nos seus leitores, que esperam ansiosos por cada nova publicação, porque com cada novo anúncio vem sempre uma nova surpresa.

Um dia, um certo alguém mencionou que: “Grandes poderes trazem grandes responsabilidades”. Também mencionou que “Uma vez, há muitos anos atrás, acreditem se quiserem, para ter sexo, era mais fácil ir a um prostíbulo e pagar do que ir para a balada”. Nesse caso, só nos interessa o primeiro comentário (muito embora sejam preocupantes as atitudes dos jovens de hoje em dia, onde todo mundo quer pegar todo mundo), visto que nosso mestre soube, com a destreza de um coala bêbado e a visão de uma águia de binóculos, utilizar seu talento para trazer ao mundo (exatamente da mesma forma que uma grávida traz ao mundo um rebento) uma das 400.587 maravilhas do mundo moderno, o Blog do Gato Gordo, que hoje completa um ano de nascimento.

Por essas e outras, nossos votos de consideração e apreço, e desejos de prosperidade por longos e longos anos.

PALMAS PARA O GATO GORDO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Nota de rodapé: Obrigado pela sua atenção ao texto, o qual lhe apresento como sendo de autoria anônima em razão de perseguições políticas de sogra, de amigos pé-no-saco e de raparigas desesperadas por sexo selvagem, e também para criar um mistério no ar. Advirto que essa humilde reunião de linhas não teve a pretensão de detalhar toda a trajetória do blog, sendo apenas uma homenagem a ele. Peço desculpas pelos erros de português porventura ocorridos. Fui!!!

[Sensacional! Eu agradeço ao anônimo pela homenagem. Ele que é uma grande figura e, de fato, sempre ajudou o meu blog a crescer, mesmo quando ninguém dava nada por ele! Nesse dia, agradeço também a ajuda de todos que participaram do Gato Gordo no último ano. Amanhã posto meu parecer. Hoje é dia de festaaaaaaaa]


PARABÉNS, GATO GORDO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

terça-feira, 27 de março de 2012

PORTO ALEGRE: ANIVERSÁRIO

E aí, fiéis seguidores. Hoje foi publicado meu segundo texto no Universo IPA! Confiram lá!

[PERSONALIDADE DO DIA] - RICARDO CORAÇÃO DE LEÃO

As Cruzadas permanecem até hoje. Em menor escala, é verdade, mas se contássemos ao rei cristão sobre o que sua luta inglória geraria, provavelmente ele teria pensado duas vezes antes de se aproximar da Terra Santa. Ricardo I era o terceiro filho de Henrique II da Inglaterra e Leonor da Aquitânia. Seu reinado é marcado pela marcha a uma guerra que ficaria conhecida como Terceira Cruzada (ou Cruzada dos Reis). Líder obstinado, era respeitado pelos exércitos - seus e rivais - tendo adquirido o status de herói pelo desempenho em Acre contra Saladino. Foi em razão deste desempenho - por vezes atroz - que recebeu a alcunha de "Coração de Leão".


segunda-feira, 26 de março de 2012

ECO DO PASSADO

A realidade é dura. É muito mais fácil nos enganarmos e cairmos em um mundo de sonhos. Lá não há maldade ou limitação e ganhamos a condição de imperadores do destino. Se formos senhores de nosso tempo, não nos informaram que há muitas atenuantes nesse tortuoso caminho. Ser generoso vira sinal de fraqueza; ser maldoso, sinal de esperteza. Precisei de tudo isso para dizer: Chico Anysio morreu.

A morte do Chico não me causou comoção logo de início. Não, pois não pertenceu a minha geração. Quando me dei conta de suas qualidades como artista, ele começou a cair em um mundo onde o humor analógico não possui vez. Mesmo a Globo o tirou do ar. Justificaram o ato pela condição precária de saúde. É verdade, mas não acredito nisso totalmente. Quando um eco do passado ecoa, ecoa para sempre. Não fico triste, mas lamento a morte de um homem que, em épocas aonde a liberdade não era plena, foi capaz de quebrar com a ordem através da mais pura manifestação humana: um sorriso. Se Chico se foi, os brasileiros perdem, pois deverão ficar com "Pânicos", "CQCs" e "Zorras". Acostumar-se-ão a gostar de ofensas ao vivo, piadas grosseiras com as deficiências das pessoas ou inexplicáveis idiotismos por meio de lacerações irresponsavelmente gravadas. Isso é piada? Faz rir, é claro, mas não sorrir.

Comecei essa postagem de forma indiferente a morte do humorista, porém termino pensativo, pois a risada espontânea e criativa está morrendo. Não quero ser dramático. Saudosismo não leva a nada, apenas prende as pessoas em tempos aonde "as coisas eram melhores". A humanidade evolui, mas seus membros morrem. Eles ficam na história, mas morrem. Não voltam mais. Fica a lembrança. Chico Anysio - assim como outros que já mencionei do blog - sai da vida, mas entra para a imortalidade. Confiram abaixo um de seus shows.


.

sexta-feira, 23 de março de 2012

quinta-feira, 22 de março de 2012

ARAPUCA DA SEDUÇÃO

BASEADO EM FATOS REAIS

Duas irmãs caminhavam livremente pela rua em uma determinada hora da noite. Cedo demais. Os jovens ainda não estavam completamente bêbados e o ditado: "depois da uma, qualquer uma" ainda nem havia sido ativado. Mas faltava pouco. As meninas direcionavam-se para a casa. Não haveria bebedeira hoje, apenas uma arapuca mau caráter.

Chegando a seu destino, a irmã mais velha saiu de fininho. Na sala de estar encontrava-se um garoto. Entenderam a situação? Armadilha familiar. E o pior é nem poder chamar o algoz da traição de "filho de uma certa senhora...", pois partilhavam da mesma prole. Seria injusto com a mamãezinha. A irmã mais nova não teve escolha. Decidiu sentar-se perto de visitante indesejável. No início, poucas palavras foram ditas. O nervosismo tomou conta do ar. Arriscaram-se a falar do tempo. Sério? Do tempo? A carga hormonal explodindo internamente e o casal desligado fala do estado lá fora? E o estado lá dentro, como ficaria? Assistiram a um filme chato sobre um cara que ficava grávido. Maravilha. Do limão não se espremeria a limonada se continuasse daquele jeito. O garoto optou por mudar a abordagem. Gritou para suas tropas: "avante, eorlingas". Cavalos corriam, soldados disparavam flechas, mas, voltando à realidade, o que acontecia de verdade era um braço atrevido direcionando-se ao entorno do pescoço da garota para tascar-lhe um chamego nos lábios. Ela percebeu o movimento. Que safadinho ele, não? Se bem que o pescoço é o de menos nos dias atuais. Nesse mundo liberto há muitas outras zonas de interesse. Pareceu até uma cena dos anos 50. Mas a garota precisaria repelir a invasão ou ser dominada pelos impulsos. Parou, pensou, viu parte de suas defesas serem derrotadas, mas submergiu o alvoroço de um reforço inesperado.

Com a força de um leão, uma mão foi levantada ao ar. Vacilante, não se sabia qual seria o seu derradeiro destino. Ela ficou lá, cambaleando, até repousar de formar violenta na face do garoto. Ele era o inimigo. E ela fora traída por sua irmã. A carne sofreu uma represália violenta pela estratégia mal sucedida. Dedinhos em cor rubra estavam bem delineados pela extensão que compreendia uma parte dos olhos até o centro da bochecha esquerda. Doeu bastante. Vitória! O garoto foi embora. Ela ficou com pena. No dia seguinte telefonaria para ele - ou não.

Moral da história: nenhuma. Novelizei um fato que me contaram. Não rolou! Outras oportunidades aparecerão. Nada mais a declarar. FUIIIIIIIIII

quarta-feira, 21 de março de 2012

terça-feira, 20 de março de 2012

THRESHOLD

Existe uma palavra no inglês que em nossa língua, ao entoada, não traz o mesmo efeito. Minto. Na verdade, o significado é o mesmo, mas o português deixa-a menos bonita. Threshold (ou limiar) é, segundo a Wikipédia, "o ponto no qual um estímulo tem intensidade suficiente para começar a produzir um efeito". São vários os thresholds e alguns não podemos evitar.

Poucos sabem muito de minha vida. Entrei na faculdade em 2006 ao fazer vestibular no ano anterior. Passei apenas pelos excelentes estudos no colégio que me ajudaram a ter médias altas mesmo sem cursinho. Foi uma felicidade tamanha, um threshold inesquecível. Lembro até hoje do telefonema de um amigo comunicando-me da conquista: "você passou". Tudo foi festa, mas - sempre uma palavra adversativa - eu não imaginava o que viria pela frente.

Hoje sou muito diferente. A bagagem que tenho atualmente não pertencia ao meu ego em meus longínquos dezessete anos. A faculdade me deu todas essas coisas. O ensino superior garante isso: maturidade. Foi-se o primeiro ano e perguntei: será que é só isso? Teoria pura, chata, enfadonha? Meu irmão mais velho me disse que não, que as coisas iriam melhorar. E melhoraram. Entrei nos conteúdos específicos do Direito. Saí dos ensaios gregos e romanos sobre a ética e, finalmente, pensei que a faculdade deslancharia. Mais um erro. As matérias são um corpo humano da realidade. Veias, órgãos, ossos, elementos que formam uma estrutura única, mas que se existir um aspecto vacilante, o sistema todo cai.

Apesar de um pouco frustrado, garanti meu diploma. Não desprezo o Direito. É o Direito, por vezes, que me despreza. Não só a mim, mas os milhares de bacharéis formados a cada semestre que são jogados no mercado, ainda mais com a necessidade não descartável pela OAB. Descobri que aquilo foi um momento de evolução única na minha vida, mas não era o que me deixaria feliz. O Direito poderá fornecer meu sustento, mas sob outro prisma: o prisma de cunho jornalístico.

Pois é. Poucos sabem, mas escrever bem somente não dá empregos ou dinheiro. Tentei virar um jornalista por decisão do STF (sem diploma), mas não teve jeito. Ofereci-me, inclusive, para trabalhar de graça - uma espécie de estágio - em redações de diversos jornais e revistas. Nada feito. Qual era a minha saída, então? Fazer jornalismo. E é o que estou fazendo. Só que agora em outra faculdade. Uma aonde não há sessenta ou setenta alunos por sala. Há muito menos e isso facilita demais o importante contato com o professor. Estou seguindo o sonho. Estou tomando o outro caminho da escada.

E para comunicar este novo processo em minha vida, posto o link Universo IPA que, junto com o tradicional Gato Gordo, será minha nova casa para textos. Hoje mesmo foi publicado meu primeiro trabalho, "O quarto poder". Deem uma conferida! Seguidor meu aqui, me segue e comenta lá também! O primeiro link é a página geral do site, o qual meu artigo ocupa a capa; o segundo é o portal direto. Desfrutem.

Um grande abraço a todos e cuidem de seus thresholds, pois são as decisões que nos movem ou nos deixam parados...

segunda-feira, 19 de março de 2012

[PERSONALIDADE DO DIA] - JÚLIO DE CASTILHOS

Presidente do Rio Grande do Sul por dois mandatos, Júlio de Castilhos assumiu o estado em um complexo período de transição que envolveria a troca de um império unilateral por uma república de todos. E teve sucesso em sua empreitada, tornando-se o principal idealizador da Constituição Estadual de 1891. Inspirado no Positivismo de August Comte, o Castilhismo foi uma das maiores forças políticas que já emergiram no Brasil, promovendo ao governo a arte científica e sensível, livre de subjetivismos ou influência de movimentos populares.


sexta-feira, 16 de março de 2012

DEUS, VOCÊ VENCEU

Certa vez, quando ocupava uma das vagas de estagiário na Procuradora Geral do Município de Porto Alegre, fui desafiado pelo cosmos à profecia de algumas palavras que me marcariam para sempre. Eu descia as escadas dos sinuosos corredores quando avistei um senhor de idade mais perdido que cebola em salada de fruta. Decidi ajudar. Perguntei se precisava de algum auxílio para caminhar. Ele respondeu que não. Perguntei se precisava de alguma ajuda técnica. Ele disse que sim. Conduzi-o ao setor responsável. Durante o trajeto, além de ouvir suas histórias, fui explicando o que ele precisaria fazer para sua consulta aos dados da administração.

O simpático senhor ficou feliz com minha boa e sincera vontade. Parecia meio abandonado no mundo. Assim, a compaixão que ofereci garantiu um brilho em seus solitários olhos. Ao fim de nossa interação, quando já em seu local de destino, deu um sorriso para as servidoras que o atenderiam. Um sorriso largo, pois no instante seguinte falaria algo que lembrarei até o fim de meus dias. Sua face opaca, agora saliente de satisfação, alternou-se entre a minha presença e a das funcionárias. Virando para elas ele disse, se referindo a mim: "Viu só? Anjos existem". E não é que existem mesmo? Hoje vejo aquilo como uma mensagem dos céus, uma artimanha de Deus para indicar o meu sentido nessa terra. Foi a partir daquele momento que passei a compreender o porquê das pessoas correrem atrás de mim quando dúvidas as abatem ou quando a tristeza toma conta. Elas partilham de minha força, de minhas ideias concisas. Ainda não sei a razão. Talvez eu seja o arauto da esperança para mentes combalidas. Talvez seja tudo uma grande coincidência. Talvez eu tenha a cara de pau de, em um mundo onde ouvir é um verbo em desuso, me poste a prestar solidariedade àqueles que sentem falta dela.

Lembrei-me deste acontecimento, pois ontem mesmo três pessoas vieram em meu encalço. Fortes de caráter, mas pobres em afetividade. Amigos, companheiros que precisavam desabafar. Abstraio suas falas negativas e tento sempre fornecer boas energias. Às vezes não é suficiente. E às vezes minhas cargas de ajuda não penetram o paredão instransponível de problemas que os seres humanos criam em seus cabeçotes. Espero que minha função no mundo sempre possa ajudar diversos novos indivíduos, assim como espero que eles também me ajudem quando eu vier a precisar. E vou precisar.

BOM FINAL DE SEMANA!

quarta-feira, 14 de março de 2012

TEMPESTADE

Morar no Rio Grande do Sul revela particularidades muito bem definidas. Você acorda no verão - encharcado em sua cama sem um ventilador ou ar condicionado - sujeito a um calor de quase quarenta graus já nas primeiras horas da manhã e pode terminar o dia do jeito que está hoje: uma tempestade de lavar a alma. Quando o planeta foi se construindo, deixaram para nosso estado a marca de ser inconstante, porém super legal e demais e espetacular e o melhor de todos.

O que foi notícia ontem? A provável mudança no clima, substituindo um sol escaldante por nuvens carregadas. Já ajuda a população, pois não é fácil aguentar um calor tão forte. Sinceramente, tentei buscar pela memória como eu convivia com isso há uns dez anos atrás. Não me lembro de sofrer tanto e de consumir tanta água. Também não recordo aonde deixei o controle remoto, mas essa discussão fica pra próxima. Se as temperaturas já estão ficando alarmantes agora, como ficarão daqui em diante? Ficará impossível de sair nas ruas, as churrasqueiras serão dispensadas e o sol será a fonte progenitora dos churrascos. Entretanto, isso acontecerá apenas quando a tempestade não vier. A cidade de Porto Alegre hoje mostra sua insalubridade ao sentir rios tomando conta das ruas. Caos urbano frente a carros que estragam pela água, esgotos que transbordam e pessoas ficando cada vez mais desesperadas. É o fim do mundo. 2012 está aí.

E é isso que tenho a dizer pelo momento. A chuva é imprevisível. Minha cidade não foi planejada para ela. Mas devemos suportá-la. Talvez um dia haja a tecnologia marcante, o ar condicionado dos céus, onde a temperatura na atmosfera será mantida amena e suportável. Até lá, desejo sorte a todos e aguentem mais um pouco, pois o outono já está aí!

terça-feira, 13 de março de 2012

[PERSONALIDADE DO DIA] - ADRIANO "IMPERADOR"

A alcunha vem entre aspas, pois trata-se de uma estrela decadente. O jogador que tinha todas as ferramentas para ser um dos maiores ídolos das história do país jogou fora sua carreira, se limitando aos prazeres instantâneos que destroem os homens. Admira-me que o Corinthians tenha aguentado por tanto tempo a atitude do atleta, que nunca entrou em forma e ganhava a mídia não por sua expressão em campo, mas pelo seu descomprometimento com o clube.


Adriano é um cara que sofre de algum problema grave. Utilizou-se de sua fama no passado para ainda extorquir uns bons trezentos mil reais por mês do clube paulista. E sem qualquer retorno. Na vida dele, infelizmente, aonde a bebida foi farta e as mulheres abundantes, apareceu sua principal fraqueza.

Tomara que um dia se recupere. Não para o futebol, mas para si mesmo.

[EDITADO] - Adriano, em nota por sua assessoria de imprensa, disse que já negocia com outros times. O que os diretores desses clubes têm na cabeça? Devem gostar de sofrer. O "imperador", atualmente, é reforço apenas para as noitadas citadinas.

segunda-feira, 12 de março de 2012

HOMENS AUTOSSUFICIENTES

Vocês conhecem a história de minha vida? Não? Pois vou lhes contar. Desde pequeno sempre fui individualista, achando que muitas coisas eu faria melhor sozinho. Talvez a experiência tenha me trazido essa impressão, pois algumas pessoas contaminavam o que eu julgava perfeito. Os exemplos são fartos: trabalhos em grupo, falsas amizades, gente interesseira. Cresci abstraindo e abnegando focos de rebaixamento, pois sempre me julguei diferenciado sob muitos aspectos. Existe apenas um Gabriel no mundo e ele é singular ao extremo, mas não é, nunca, solitário, apenas individualista, ou seja, não aceita pessoas que o suguem para o ralo (exclusivamente por caráter).

É normal, portanto, que eu me assemelhe a homens como eu. Toda vez que encontro um indivíduo parecido, procuro mais sobre ele. A história já me mostrou alguns. Sttauffenberg na Alemanha, idealizador da operação Valquíria para matar Hitler, cujos princípios foram muitos maiores que ambições pessoais. Ele morreu sobre o que acreditava e assumiu sozinho um encargo pelo qual seria lembrado para sempre. E Afonso Corte Real, general Farroupilha que, no verão de 1940, encontrou-se encurralado frente à tropa de mais de quarenta soldados imperiais. Cercado, fez o que nenhum faria: gastou sua última bala, desembainhou sua espada e correu para lutar uma última vez.

No plano fantasioso, também não são poucos os personagens os quais nutro admiração. Ézio Auditore da Firenze, do Livro e jogo Assassin´s Creed, cuja família foi morta por interesses políticos e desde então se refugiou do mundo, atuando nas sombras para servir à luz, trazendo malfeitores à justiça final. Tal qual Ézio, Érik, o mal falado "Fantasma da Ópera". Um gênio, um mágico, refugiado do mundo por não se enquadrar nos padrões culturais, mas que ansiava pela perfeição e tornou-se perfeito de um jeito próprio, conseguindo amar uma mulher que o negou, para todo o sempre.

O que todos estes homens e eu temos em comum? Somos indivíduos autossuficientes, que buscamos não ser fragilizados pela realidade. Como todos, temos incontáveis defeitos, mas que convivemos bem com nosso ideal em um universo próprio. Não sou nenhum oficial, assassino ou mágico, sou apenas um cara comum lutando para que as coisas deem certo da melhor forma possível. Ser individualista, portanto, é conhecer tanto de si, que nada impede que um dia precise-se de ajuda. E são muitos os momentos onde a ajuda se faz necessária, mas os mesmos não alteram quem realmente somos, apenas amplificam a qualidade do existir.

Essa é minha visão. Não me entendam como solitário ou antissocial, pois não sou nada disso. Em algum momento, muito tempo atrás, já posso ter sido, mas já passou. Sei conviver muito bem com o Gabriel e o Gabriel comigo mesmo. E acho que mais pessoas deveriam ser como eu. Parariam de viver em um mundo de faz de conta ou em teias de mentiras.

E aí, será que sou um lunático ou um ser realmente muito bem resolvido?

BOM INÍCIO DE SEMANA!

sexta-feira, 9 de março de 2012

GATO GORDO NO CINEMA

Gato Gordo estreia hoje nos cinemas de todo o Brasil.

O resgate do soldado gordo

American cat

 
O senhor dos biscoitos


Tentei! HOHOHOH. BOM FINAL DE SEMANA.

quinta-feira, 8 de março de 2012

DIA DAS MULHERES

Hoje é o Dia Internacional da Mulher. Nas palavras da personagem Chiquinha, do seriado "Chaves", a partir desta data "as mulheres irão trabalhar e os homens terão os filhos". Acho fisicamente impossível, mas fica a piadinha simples, porém engraçada. Isso, entretanto, não vem ao caso. Como eu disse, hoje é o Dia Internacional da Mulher e nada melhor do que homenagear algumas figuras importantes na história.

1) Amélia Earhart (1897 - desaparecida em 1937): foi uma aviadora dos Estados Unidos que lutou pelos direitos femininos. Através de seus trabalhos, ampliou o papel da mulher na aviação americana e também nos serviços militares. Se garantiu como a primeira a cruzar o oceano Atlântico em um voo solo, ganhando a mais alta condecoração da marinha por tal feito. Em 1937, partiu em uma última jornada ao redor do mundo, porém seu avião se perdeu dos radares para nunca mais ser encontrado. Ainda hoje seu paradeiro é um mistério.


2) Annie Oakley (1860 - 1926): era o século XIX. Uma época onde a mulher ainda era considerada um ser inferior. Das terras férteis do meio artístico despontou uma grande estrela. Anne notabilizou-se por sua habilidade única e certeira com as armas, instrumentos exclusivamente masculinos. Participava de um show, um circo, chamado Bufalo Bill. Ganhou o respeito dos homens por fazer o que nenhum faria. Vejam seu desempenho no vídeo abaixo:


3) Imperatriz Leopoldina (1797 - 1826): obrigada a um casamento a força com o incontrolável D. Pedro I, a imperatriz Leopoldina merecia um destino melhor. Nascida na Áustria, chamava a atenção pela redundante desatenção com o corpo: feia de doer e sempre mal vestida, entre outros aspectos. Enquanto ocupava o cargo de primeira imperatriz do Brasil, se dedicando a problemas sociais, o marido se divertia com outra mulher igualmente histórica: a marquesa de Santos. Leopoldina começou a adoecer por volta de 1926, em grave depressão e esperando o décimo segundo filho. Morreu no dia dois de dezembro daquele mesmo ano, abortando o feto. A notícia de sua morte gerou comoção pelas cidades brasileiras: "nossa mãe morreu".


Fontes: Sites Wikipédia, Woman in history e Livro "1808", de Laurentino Gomes, respectivamente.

Era isso por hoje! Parabéns, mulherada!

quarta-feira, 7 de março de 2012

O NOVO ASSASSIN´S CREED

O pessoal que acompanha o blog já deve saber dos meus gostos para livros e entretenimento virtual: Assassin´s creed. Já disse por aqui que o jogo no videogame, acompanhado de perto pelo mercado literário, possui quatro títulos, resumindo-se, na verdade, em dois episódios divididos sob subtítulos. Pois é. A saga, que já viajou pelo turbulento período das Cruzadas e também pela explosão das artes do Renascimento, agora vai partir para outro período histórico. Assistam o vídeo e me digam qual é!

terça-feira, 6 de março de 2012

[PERSONALIDADE DO DIA] - CHRISTOPHER PLUMMER

No alto da glória! Quem não se lembra do carrancudo Capitão Georg Von Trapp, do filme "A noviça Rebelde"?


Christopher Plummer além de ter nos dado personagens memoráveis como este, também abrilhantou a história da telona com filmes igualmente importantes. O reconhecimento veio muito tempo depois, mais especificamente no Oscar de 2012, onde o ator foi agraciado, aos oitenta e dois anos, com a honra máxima do cinema, tornando-se a pessoa mais velha da história a receber a estatueta.


E nem pensa em se aposentar. Bom para o público!

segunda-feira, 5 de março de 2012

DRAGÃO DE OURO

O homem viveu quarenta infelizes anos buscando respostas para a existência. Se a humanidade não era nada, o que seria um único elemento recheado de vida? Tudo funciona dentro de um contexto e às vezes temos que nos jogar nas crenças para que o todo faça sentido. O homem tomou um caminho diverso para achar seu significado no mundo. Através de intermináveis pesquisas, foi atrás  do grande Dragão de Ouro, uma criatura mística cujo mistério só não era maior que sua lenda.

Os estudos o levaram a uma ilha no Pacífico. Difícil de ser encontrada, pois não se localizava em qualquer mapa, apenas mapas especiais, versados sobre a terra, mas residentes nas vontades da mente. Lá procurou incessantemente pela criatura que, segundo dizeres antigos, realizaria todos os seus desejos. Caminhou dias e noites. Deu voltas e mais voltas naquela remota localidade e frustrou-se sobre suas cintilantes expectativas. Não havia vida ali, apenas alguns insetos que lhe tiravam o sono à noite. Não encontraria lenda ou crença, somente um espaço vazio abandonado pela natureza. Cansado, caiu no sono desejando que aquela viagem jamais tivesse acontecido. Nos sonhos reviveu todas as intempéries de sua vida. Não gostava dela, não gostava de ser e estar e o mais preocupante: odiava a si mesmo. Falhou por receios e temia não ser bom o suficiente para os desafios que viriam. Decidiu, então, optar pelo caminho mais fácil, através de uma intervenção do misticismo. Repentinamente, seu sonho foi rasgado por uma explosão de luz dourada. Ao pesar de um estrondo violento, pousou em sua frente a criatura que lhe motivou a fazer aquela cruel viagem. Postava-se contra uma divindade, honra que poucos tiveram o privilégio. O homem não esperou mais. Esfregou os olhos e gritou para a criatura: "Ó, poderoso, me faça belo!". E belo ficou. O homem retomou seu raciocínio: "Dragão, me faça rico!" E rico ficou. E por fim, finalizou seus desejos com o singelo pedido: "Dragão, me faça a pessoa mais inteligente de tudo". E inteligente ficou.

Satisfeito, o homem preparou-se, vigiado pelo Dragão, para deixar a ilha. Arrumou suas coisas, partiu em direção a praia, mas lá algo surpreendente o fez perder o rumo. Não avistou o mar. A ilha era envolvida por uma estranha fumaça dourada que não dava brechas ou súplicas. Estaria ali enclausurado até que a piedade fosse suficiente para libertá-lo. Não entendeu nada. Voltou-se para a poderosa criatura e, olhando profundamente em seus olhos, disse: "Você me enganou". O Dragão, pela primeira vez, se manifestou:

- Você quis ser o homem mais belo. Você é o homem mais belo dessa ilha. Você quis ser rico. Você é o homem mais rico dessa ilha. Você quis ser inteligente. Você é o homem mais inteligente dessa ilha. Você quis tudo e não deu nada. Escolheu o caminho fácil por medo. Se esforçou tanto para me conhecer e acabou não conhecendo a si mesmo. Aqui ficará com todos os seus desejos.

Prestes a voar, o Dragão ainda manifestou uma última fala:

- Sem sacrifício, sem vitória.

E voou até o infinito.