sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

INTERNET: UM PONTO SEM RETORNO

Eu sempre digo que o mundo é contemporâneo, mas a internet ainda está caminhando pela Idade Média, ou seja, é um território sem lei. Absorver o plano digital é realizar uma análise minuciosa do que é justo, pois todos os nossos dados estão lá dispostos e qualquer um pode ter acesso a eles. Há limites? Com o fechamento do Megaupload, o gigante da pirataria, inauguramos um novo capítulo na história da geração online: até que ponto a liberdade de informação fere o Direito Autoral?

No Congresso americano, foi impetrado um projeto de lei chamado "Stop Online Piracy Act" ou, simplesmente, SOPA. O documento visa acabar com o compartilhamento de arquivos protegendo, assim, a propriedade intelectual de seus criadores. A lei permitiria ao Departamento de Justiça dos EUA investigar, perseguir e desconectar qualquer pessoa ou empresa acusada de disponibilizar na rede, sem permissão, material sujeito a direitos autorais, dentro e fora do país. Concomitantemente, tramita outro projeto, o "Protect Intellectual Property Act", também conhecido como PIPA. Este estabelece rigorosas penas, nas esferas civil e penal, para quem não se limitar as diretrizes do SOPA.

Ativistas digitais fazem protestos silenciosos nas redes de modo a contrariar a decisão do congresso americano que está derrubando todos os sites mais populares de compartilhamento. O golpe contra o Megaupload foi apenas a ponta do iceberg e esconde uma guerra que se estenderá por muito tempo. Vejam meu lado. Sempre baixei programas da internet, sejam filmes, músicas ou quaisquer outros documentos. O fim da pirataria, certamente, mudaria meu estilo de vida, pois jamais dei um tostão aos criadores dos arquivos que utilizo. De outra via, proibir a propagação de tais dados é limitar o acesso a informação, o que seria um ataque a própria globalização em que vivemos e a inauguração de uma primeira ditadura online. Nem preciso dizer que o tema é polêmico, mas é hora de me posicionar.

Que a vitória seja dada ao SOPA e ao PIPA. Se a tendência humana é uma busca incessante pela moralização de seus atos, então não podemos restringir dessa equação o elemento mais poderoso e incontrolável da atualidade: a internet. Analisem comigo: é justo buscar a informação, mas não a qualquer preço. Pessoas trabalham, suam, criam e esperam retribuição por isso. Fazem de seu ofício sua fonte de sustento. Se a rede online disponibilizar todo o material produzido, sabe o que acontecerá um dia? As pessoas verão que é perda de tempo, não serão reconhecidas pelo próprio trabalho e limitarão suas criações! E aí estagnaremos ante a produtividade rendida pelo uso sem retorno do material autoral. Apenas para comentar, o Juremir Machado, em seu Twitter, postou que os defensores da corrente ativista por informação são, na verdade, anarquistas. Não serei tão exagerado. O Direito Autoral deve ser protegido, mas é importante também que se encontre um meio pelo qual uma pessoa no Congo tenha acesso a textos brasileiros. Praticamente, apenas a internet permite isso. Com o fim do "download", não permitirá mais.


Eu lancei as duas correntes. Por um lado, não gostaria que usassem os textos de meu blog sem que me dessem o crédito; por outro, gostaria que todos tivessem acesso a eles. Qual autor não quer ver seus trabalhos se espalhando de forma viral? Mas não a qualquer custo. A autoria deve e precisa gerar o benefício devido.

O que vocês acham?

3 comentários:

Selena Linhares. disse...

Para mim ,realmente ,é um pouco difícil entender estes mandos e desmandos dos E.U.A. O SOPA e o PIPA...Hum! O que eu sei e pelo que despreendi da postagem,é que quem posta na Internet,posta para o mundo todo,é isso? E deveria ter seus Direitos Autoriais reconhecidos. Se for isso,eu concordo,embora eu ache que se alguém posta na Internet, sabe que todo mundo irá olhar e copiar, se por acaso for de seu interesse. Eu uso a Internet de uma forma muito lúcida. Não sou escrava do Computador e o que mais gosto,é de fazer comentários ,aqui,no Gato Gordo! Um abraço.

Gabriel disse...

Você está certa em parte Selena. O direito autoral, na verdade, mexe com o $$$$$ da situação. O exemplo mais claro são filmes e seriados. As empresas investem milhões na produção esperando um retorno plausível ao que foi gasto. Muito dinheiro investido não volta, pois, por exemplo, deixam-se de ser vendidos dvds com a exposição do filme na internet para download. Diversos sites tomam a propriedade da película e dispõe na rede para outros assistirem. Isso é pirataria e prejudica os criadores, pois não ganharão nada com isso.

Há muitos outros exemplos e outros aspectos a serem considerados, mas em resumo é basicamente isso. O SOPA e o PIPA vêm para tentar moralizar a internet.

Selena Linhares. disse...

Que venham então,porque se tem duas coisas que precisam ser moralizadas são: A Internet e o...BBB , da Globo!