segunda-feira, 12 de março de 2012

HOMENS AUTOSSUFICIENTES

Vocês conhecem a história de minha vida? Não? Pois vou lhes contar. Desde pequeno sempre fui individualista, achando que muitas coisas eu faria melhor sozinho. Talvez a experiência tenha me trazido essa impressão, pois algumas pessoas contaminavam o que eu julgava perfeito. Os exemplos são fartos: trabalhos em grupo, falsas amizades, gente interesseira. Cresci abstraindo e abnegando focos de rebaixamento, pois sempre me julguei diferenciado sob muitos aspectos. Existe apenas um Gabriel no mundo e ele é singular ao extremo, mas não é, nunca, solitário, apenas individualista, ou seja, não aceita pessoas que o suguem para o ralo (exclusivamente por caráter).

É normal, portanto, que eu me assemelhe a homens como eu. Toda vez que encontro um indivíduo parecido, procuro mais sobre ele. A história já me mostrou alguns. Sttauffenberg na Alemanha, idealizador da operação Valquíria para matar Hitler, cujos princípios foram muitos maiores que ambições pessoais. Ele morreu sobre o que acreditava e assumiu sozinho um encargo pelo qual seria lembrado para sempre. E Afonso Corte Real, general Farroupilha que, no verão de 1940, encontrou-se encurralado frente à tropa de mais de quarenta soldados imperiais. Cercado, fez o que nenhum faria: gastou sua última bala, desembainhou sua espada e correu para lutar uma última vez.

No plano fantasioso, também não são poucos os personagens os quais nutro admiração. Ézio Auditore da Firenze, do Livro e jogo Assassin´s Creed, cuja família foi morta por interesses políticos e desde então se refugiou do mundo, atuando nas sombras para servir à luz, trazendo malfeitores à justiça final. Tal qual Ézio, Érik, o mal falado "Fantasma da Ópera". Um gênio, um mágico, refugiado do mundo por não se enquadrar nos padrões culturais, mas que ansiava pela perfeição e tornou-se perfeito de um jeito próprio, conseguindo amar uma mulher que o negou, para todo o sempre.

O que todos estes homens e eu temos em comum? Somos indivíduos autossuficientes, que buscamos não ser fragilizados pela realidade. Como todos, temos incontáveis defeitos, mas que convivemos bem com nosso ideal em um universo próprio. Não sou nenhum oficial, assassino ou mágico, sou apenas um cara comum lutando para que as coisas deem certo da melhor forma possível. Ser individualista, portanto, é conhecer tanto de si, que nada impede que um dia precise-se de ajuda. E são muitos os momentos onde a ajuda se faz necessária, mas os mesmos não alteram quem realmente somos, apenas amplificam a qualidade do existir.

Essa é minha visão. Não me entendam como solitário ou antissocial, pois não sou nada disso. Em algum momento, muito tempo atrás, já posso ter sido, mas já passou. Sei conviver muito bem com o Gabriel e o Gabriel comigo mesmo. E acho que mais pessoas deveriam ser como eu. Parariam de viver em um mundo de faz de conta ou em teias de mentiras.

E aí, será que sou um lunático ou um ser realmente muito bem resolvido?

BOM INÍCIO DE SEMANA!

5 comentários:

selena Linhares disse...

Eu não diria lunático e nem MUITO bem resolvido. Excelente Postagem.
Pelo que você está dizendo sobre si mesmo,você tem algo bem reservado dentro de você que dedica aos benfeitores,aquelas pessoas rigorosamente do BEM com as quais você se identifica.Em grupos, sabe se preservar de pessoas e ambientes que não lhe fazem bem ( "...me sugam para o ralo..."),fazendo isso de uma maneira muito sutil,sem que essas pessoas percebam. Sabe conviver muito bem com elas sem deixar em momento algum que elas lhe monopolizem , você tem tendências natas de liderança.Essa individualidade que fala ,é muito saudável para que o Equilíbrio mental seja mantido. Eu falei INDIVIDUALIDADE e não solidão. Mas mesmo a solidão é muitas vêzes necessária para que o nosso equilíbrio seja mantido. Enfim ,acho que você é um ser rigorosamente normal dentro daqueles mais aquinhoados pela vida

Vani disse...

"O Julgamento mais importante que fazemos em nossa vida é o nosso próprio julgamento".Tu conseguiste isso. Eu gostaria também de conseguir...de me auto-conhecer,mas não. Não sei se sou carente...se sou muito arrogante...se sou independente ou dependente demais. Já pensou? Que confusão? Só falta agora o "Jhonny sempre a postos", me mandar para o Psiquiatra...uiiiiiiii.....!
De qualquer maneira,adorei a postagem e sou sua seguidora,não tão frequente,mas adoro ler seu Blog

Juliana Borges de Almeida disse...

Olha....acho que vc está mais para um narcisista, hehehehe...dentro de todas as outras postagens que eu leio.
Adoro seu blog por isso estou sempre por dentro do que vc posta.
Tb não acho que ser individualista seja um problema, talvez para as pessoas que não conseguem resolver as coisas por si só, mas tb acho que "nunca" somos muito bem resolvidos, ha sempre algo que nos falta e muitas vezes não nos damos por conta.
Bem, era isso, mas adoro vc e suas postagens...bjos

Gabriel disse...

"Tenho tendências a liderança". Ganhei o dia, Selena, hehehehe.Muito interessante seu comentário. E de fato, Vani, é muito difícil julgar a si mesmo, pois sempre falhamos ou negamos a realidade. Não é meu caso. E, Juliana, narcisismo é uma palavra meio forte. Saber de si não é o mesmo que se amar incondicionalmente no espelho. Mas entendi o que tu quiseste dizer, hehehe. Acho que todos somos um pouco nascisistas de vez em quando.

Um abraço a todas!

Anônimo disse...

O termo Narcisismo,não está adequado à Postagem, no Comentário da Sra. Juliana, porque o próprio blogueiro já o definiu : ser Narcisista é "se amar incondicionalmente na frente do espelho" ( coisa que ele diz, não ser o seu caso). A origem da palavra remete ao mito de NARCISO : O amor à imagem de si mesmo. Não foi o que o blogueiro disse. Ele falou em autossuficiência e auto- confiança , que permite que ele transite pela realidade , com os inúmeros defeitos que tem ( Narciso jamais admitiria um defeito Seu!),sem que essa realidade jamais o afaste de seus ideais que são a luta para que as coisas dêem certo da melhor forma possível.
E ele não disse também que ser individualista é um problema!!!!!??????, pelo contrário , ele disse que ser individualista é conhecer tanto de si mesmo , que nada irá impedir ,que em algum momento da vida ,vá se precisar de ajuda e precisamos sim ,em muitos momentos de nossas vidas ,precisamos da ajuda dos outros. ( Narciso jamais precisaria!). Enfim ,apenas uma contribuição para o engrandecimento do Blog ( sem Narcisismos...é claro!).